Notícias do Setor

vinhos

As exportações portuguesas de vinho cresceram 5,8% em volume e 8,6% em valor entre Janeiro e Setembro de 2017,  atingindo 214 milhões de litros por um valor de 537 milhões de euros, a um preço médio que passa de 2,45 para 2,51 euros por litro.

Segundo os dados divulgados pelo OeMv — Observatório Espanhol do Mercado do Vinho, todas as categorias cresceram a “muito bom ritmo em valor e apenas o granel caiu em volume, ainda que apenas 1,7%”.

Vinho engarrafado representa 92% das vendas

O vinho tranquilo engarrafado liderou a subida global e já representa 77% do volume e mais de 92% das vendas totais.

Acrescenta o OeMv que França perdeu quota como primeiro mercado, sobretudo em valor, com as vendas a crescerem para Angola e Brasil, e com boa evolução nos mercados da Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido.

Preços a subir em França, Itália, Alemanha e Portugal

Os produtores europeus de França, Itália, Alemanha e Portugal aumentaram a “bom ritmo as suas exportações de vinho durante os nove primeiros meses de 2017, mais em valor que em volume, mas todos com os preços a subirem”, acrescenta o Observatório.

França, com 6.422 milhões de euros (+10,9%), e Itália, com 4.223 milhões (+6,4%), seguem a liderar as vendas mundiais em valor.

Continue Reading →
frulact

O grupo de preparados de fruta, com presença industrial em três continentes e vendas de 112 milhões de euros, deu o pontapé de saída da sua diversificação com a aquisição da 5ensesinfood, produtora de ingredientes de base vegetal para a indústria alimentar.

Ao fim de 30 anos de muita fruta, com oito fábricas espalhadas por três continentes e um lugar no top 5 dos maiores fabricantes mundiais de preparados à base de fruta para a indústria alimentar, a Frulact, com sede na Maia, decidiu apostar na diversificação e ganhar músculo vegetariano.

O grupo da família Miranda adquiriu, no início de Janeiro, 100% do capital social da 5ensesinfood (5IF). Trata-se de uma start-up de base industrial que criou um processo patenteado de produção de ingredientes à base de vegetal para a indústria alimentar, permitindo a sua aplicação numa ampla gama de produtos finais.

Constituída em 2012, a 5IF teve origem num projecto desenvolvido inicialmente na Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto e era detida por um conjunto de capitais de risco, entre as quais a Change Partners e a Invicta Angels, e que tinha também como accionistas as co-fundadoras e investigadoras Joana Mafalda Inácio e Maria Isabel Franco.

O grupo maiato, que “tem como claro ‘driver’ na estratégia chegar aos 200 milhões de euros de facturação consolidada durante o próximo ciclo do plano estratégico”, ambiciona, entre outras vias, “implementar eixos de diversificação em áreas complementares ao negócio ‘core’”, sendo que a compra da 5IF “é um dos primeiros passos concretizados nesse sentido”, adiantou o CEO da Frulact, João Miranda, ao Negócios.

Porquê a 5IF? “A alteração dos hábitos alimentares e nutricionais a uma escala global tem ditado, por um lado, o reposicionamento de muitos dos ‘players’ tradicionais da indústria alimentar e, por outro, o aparecimento de novos agentes, que trazem uma miríade de novos produtos e soluções para a diversificação e procura de alternativas pelo consumidor final”, começou por explicar o CEO da Frulact.

Ora, “as bases vegetais produzidas pela 5IF, processo patenteado, permitem o desenvolvimento e a oferta de ingredientes para bebidas que o mercado está a posicionar como alternativas ao leite”, afiançou João Miranda. No caso, produtos “tipo iogurte, gelados e outras sobremesas sob a forma de produtos de alto valor acrescentado e diferenciador, a partir de várias matérias-primas, de onde se destacam a aveia, a amêndoa, o coco ou o arroz”, indicou o mesmo empresário.

Com um peso consolidado de 4% do mercado global, comparando com os 96% do sector lácteo, “o sector de alternativas vegetais a produtos lácteos (‘dairy-free’) tem tido um crescimento vigoroso que se espera venha a intensificar-se ainda mais nos próximos anos”. Ainda de acordo com João Miranda, este mercado representa actualmente um volume global de 4,7 mil milhões de toneladas de produto e um valor de 12 mil milhões de euros.

A linha de produção da 5IF em funcionamento, numas instalações arrendadas em Alfena, no concelho de Valongo, vai ser deslocalizada para o complexo industrial da Frulact na Maia, confirmou ainda o presidente executivo do grupo, que não quis revelar o valor da aquisição da empresa nem a sua facturação.

A Frulact que nasceu, em 1987, no fundo do quintal da família Miranda, em Matosinhos, fechou 2017 com vendas de 112 milhões de euros, mais sete milhões do que no ano anterior, com as exportações a valerem 97,5%, e prevê chegar este ano aos 120 milhões. Com três fábricas em Portugal, duas em Marrocos, uma em França, uma na África do Sul e outra no Canadá, emprega 725 pessoas, das quais 55 no seu centro de inovação. Investiu 100 milhões de euros nos últimos 10 anos e dedica anualmente 2,8% das vendas à investigação, desenvolvimento e inovação.

FONTE: Jornal de Negócios

Continue Reading →
33archdaily

É uma adega de outro mundo. Escondida, serpenteante debaixo da terra, que mal se consegue distinguir na grande planície do Redondo — é, também, uma “adega em redondo”, descreve ao P3 o arquitecto Frederico Valsassina, sem prender o riso, depois de se aperceber da inadvertida chalaça em torno da sua adega da Herdade do Freixo, aqui fotografada por Fernando Guerra. O projecto, soube-se esta quarta-feira, 7 de Fevereiro, foi um dos escolhidos pelos leitores do ArchDaily para edifício do ano de 2018 na categoria de Arquitectura Industrial, depois de ter recebido uma menção honrosa nos Prémios FAD 2017 e uma nomeação nos Prémios Construir 2017.

 Já na Fugas se escrevia, em finais de 2016: “A adega da Herdade do Freixo é muito grande. E, no entanto, quando olhamos à nossa volta, a paisagem do Alentejo estende-se a perder de vista e, de adega, nem sinal.” Tirando uma ou outra abertura “discreta”. Mas, continua Alexandra Prado Coelho, sobre esta “adega Guggenheim”, “daqui a algum tempo”, quando a vinha plantada sobre ela crescer, “nem isso será visível”. Há duas semanas, Valsassina voltou ao local e disso mesmo se apercebeu. Tirando umas típicas chaminés que despontam da vinha, as responsáveis pela ventilação, poucos se apercebem de que ali há uma adega com uma espiral que se desenrola até 40 metros de profundidade. “É uma discussão que existe muito hoje, da negação da arquitectura — fazer uma intervenção no sítio sem parecer que houve arquitectura”, descreve Valsassina, que venceu o concurso internacional lançado pela Herdade do Freixo “há já bastantes anos”. Os proprietários, recorda, pretendiam construir uma adega para dar reposta ao “grande investimento que estavam a fazer na vinha”, mas que também ficasse “integrada” no povoado, que fosse a “continuação da própria paisagem”.

 Assim foi. Se, no início, não pensavam enterrá-la integralmente, depressa o projecto avançou nesse sentido. Ao fim de um ano de obras, submergiu uma adega quase invisível, feita com apenas um material (barramento cimentício), da cor da terra que a cobre. Lá dentro, há dois percursos — para os trabalhadores e para os visitantes — num edifício “em redondo”, marcadamente acessível.

Quanto ao prémio propriamente dito, Frederico Valsassina estava “expectante”. É, diz, uma distinção, “mais interessante” e “abrangente” do que muitas outras, precisamente por se tratar de uma votação de leitores. De acordo com o portal de arquitectura, foram recebidos quase cem mil votos nas últimas duas semanas para os Prémios ArchDaily Buidling of the Year 2018, que ajudaram a eleger os 15 melhores trabalhos apresentados no portal de arquitectura em 2017. Entre os vencedores estão reputados gabinetes como Foster + Partners, com uma loja da Apple em Chicago, e o OMA, de Rem Koolhaas, com um edifício de escritórios em Haia, mas também “heróis até então desconhecidos” — é o caso do projecto do atelier Emergency Architecture & Human Rights para salas de aulas para crianças refugiadas em Za’atari, na Jordânia. E há ainda projectos que “desafiam a crença comum de que os melhores exemplos de arquitectura ainda se concentram apenas em partes historicamente privilegiadas do mundo, como os EUA, a Europa e o Japão”: como, diz o portal, a Fundação Santa Fé de Bogotá e o Museu de Arte Contemporânea Zeitz, na Cidade do Cabo. A lista completa dos vencedores pode ser consultada aqui.

 Estavam nomeados mais dois projectos portugueses para Edifício do Ano: o GS1, do atelierPROMONTORIO, e o edifício de Francisco e Manuel Aires Mateus para a Faculdade de Arquitectura de Tournai, na Bélgica.

Continue Reading →
aguardente

A Comissão Europeia alterou as regras aplicáveis à definição, designação, apresentação, rotulagem e protecção das indicações geográficas das bebidas espirituosas, nomeadamente da aguardente.

As bebidas espirituosas e as denominações de venda que cumprem os requisitos estabelecidos podem continuar a ser colocadas no mercado até que se esgotem as existências, explica o Regulamento 2018/175 da Comissão, de 2 de Fevereiro de 2018.

Aguardente

Adianta o documento que o anexo II do Regulamento (CE) n.o 110/2008 estabelece que a denominação de venda das bebidas espirituosas da categoria 9, a saber “Aguardente de frutos”, deve ser “aguardente de” seguida do nome do fruto, da baga ou do legume usado.

No entanto, nalgumas línguas oficiais, as denominações de venda são tradicionalmente expressas completando o nome do fruto com um sufixo. No caso das aguardentes de frutos rotuladas nessas línguas oficiais, deverá, por conseguinte, ser autorizada a indicação da denominação de venda que consiste no nome do fruto completado por um sufixo.

Sidra

No anexo II do Regulamento (CE) n.o 110/2008, as especificações da categoria 10 – “Aguardente de sidra e aguardente de perada” – não prevêem claramente a possibilidade de destilação conjunta de sidra e de perada para produzir esta categoria de bebidas espirituosas.

No entanto, nalguns casos, a bebida espirituosa é tradicionalmente obtida a partir da destilação conjunta de sidra e de perada. A definição desta categoria de bebidas espirituosas deve, por conseguinte, ser alterada, a fim de permitir expressamente a possibilidade de destilação conjunta de sidra e de perada sempre que previsto nos métodos de produção tradicionais.

Nesse caso, será também necessário determinar as regras relativas à correspondente denominação de venda. Para evitar dificuldades aos operadores económicos, é igualmente conveniente estabelecer uma disposição transitória para a denominação de venda das bebidas espirituosas produzidas antes da entrada em vigor do presente regulamento.

Pode ver o documento completo aqui.

Continue Reading →
queijo-serra-estrela

A reposição dos anteriores níveis de produção do queijo certificado Serra da Estrela demorará vários anos, mas a qualidade não foi afetada pelos incêndios, assegura a Associação Nacional de Criadores de Ovinos Serra da Estrela.

“A qualidade é igual à dos anos anteriores”, disse recentemente à agência Lusa o presidente da Associação Nacional de Criadores de Ovinos Serra da Estrela (ANCOSE), Manuel Marques, no dia em que começa, em Celorico da Beira, distrito da Guarda, o ciclo anual de feiras do queijo de ovelha produzido na região.

Um centro de recria montado pela associação, em Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, já reúne cerca de 200 borregas da raça bordaleira e deverá contribuir para salvar o queijo com denominação de origem protegida (DOP) Serra da Estrela, após milhares de ovinos terem morrido nos fogos de outubro de 2017.

Manuel Marques prevê, no entanto, que a acentuada queda da produção de queijo DOP “vá prolongar-se por anos”, devido à falta de matéria-prima.

Após os fogos de 15 e 16 de outubro de 2017 na região Centro, “a situação era preocupante” quanto ao futuro dos rebanhos de raças genuínas da Serra da Estrela, bem como dos três produtos DOP da ovinocultura regional: queijo, requeijão e borrego.

Terão perecido mais de oito mil pequenos ruminantes, entre ovinos de raças autóctones e alguns caprinos, segundo estimativas da ANCOSE.

Mais de três meses depois da tragédia, “já temos alguns espaços a verdejar”, com recomposição dos pastos atingidos pela seca prolongada e pelos incêndios. “Mas não tanto quanto desejaríamos”, lamentou Manuel Marques.

Na sequência dos fogos, a ANCOSE, com sede em Oliveira do Hospital, redobrou o trabalho de apoio aos sócios, repartidos pelos 18 municípios da região demarcada do queijo DOP Serra da Estrela: Carregal do Sal, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Gouveia, Mangualde, Manteigas, Nelas, Oliveira do Hospital, Penalva do Castelo, Seia, Aguiar da Beira, Arganil, Covilhã, Guarda, Tábua, Tondela, Trancoso e Viseu, nos distritos de Viseu, Coimbra, Guarda e Castelo Branco.

“Continuamos a distribuir palha e rações pelos associados”, disse, revelando que a entrega de borregas aos criadores que perderam animais começará em março ou abril.

Para poderem receber estas doações, os beneficiários terão de “demonstrar que perderam ovelhas da raça bordaleira” nos incêndios.

Na totalidade, a ANCOSE espera reunir, aos poucos, 400 ovelhas para repovoamento.

A segunda prioridade é fornecer também animais jovens aos produtores que pretendam reforçar o número de efetivos, mesmo que não tenham registado perdas devido ao fogo.

“Mas estes terão de pagar”, esclareceu o presidente da associação.

Nos últimos seis anos, a redução do total de ovelhas da Serra da Estrela não parou de baixar, o que, no início de 2017, levou Manuel Marques a defender, em declarações à Lusa, a criação de incentivos do Estado à preservação do queijo DOP.

FONTE: Agencia Lusa/Jornal de Noticias

Continue Reading →
pulverizador

O Sistema de Gestão da Inspecção de Equipamentos de Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (SIGECIPP), entrou ontem, 3 de Janeiro, em produção.

Desenvolvido pela DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária, este sistema destina-se a gerir toda a informação referente às inspecções obrigatórias de pulverizadores. Este sistema, que pode ser acedido aqui, será utilizado por todos os Centros de inspecção de pulverizadores.

Inspecção obrigatória

Relembre-se que ao abrigo do Decreto-Lei n.º 86/2010, que entrou em vigor a 15 de Julho de 2010, é obrigatória a inspecção de equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos.

O referido Decreto-Lei estabelece prazos e periodicidade para os equipamentos:

  • Desde 26 de Novembro de 2016 só podem ser utilizados equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos que tenham sido aprovados em inspecção;
  • Até 31 de Dezembro de 2019 os equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos devem ser inspeccionados e aprovados de 5 em 5 anos;
  • A partir de 1 de Janeiro de 2020 os equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos devem ser inspeccionados e aprovados de 3 em 3 anos;
  • Os equipamentos novos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos, adquiridos a partir de 16 de Outubro de 2010, devem ser sujeitos à primeira inspecção e aprovação, no prazo de 5 ou 3 anos, após a data de aquisição.

Pode ver a Lista dos Centros de Inspecção Periódica de Pulverizadores (Centros IPP) reconhecidos aqui

Continue Reading →
capoulas santos

Capoulas Santos garante 4 euros extra por tonelada para a madeira vendida a, pelo menos, 25 euros e ainda um apoio de 3 ou 3,5 euros para quem guarde a madeira por um período mínimo de nove meses.

 O ministro da Agricultura apresentou medidas para apoiar produtores florestais prejudicados pelos incêndios, que visam evitar que a madeira seja vendida a um preço muito baixo. Capoulas Santos lembra que o excesso de oferta que se verificou a seguir aos fogos fez cair o preço pago aos produtores.

 “Iremos atribuir aos produtores florestais uma ajuda de 4 euros por tonelada, desde que a madeira seja adquirida a um preço mínimo de 25 euros. Quer dizer que aos produtores não será pago um valor inferior a 29 euros. Será ainda atribuído um apoio de 3 ou 3,5 euros por tonelada para aquela madeira que for depositada nestes parques e que neles fique estacionada pelo menos nove meses, para evitar que com o excesso de oferta imediata que se verifica houvesse um enorme aviltamento dos preços.”

 Com estes apoios, diz o ministro da Agricultura, o governo espera proteger os produtores e garantir que nos próximos anos o país não terá de importar madeira.

“Visa dar resposta ao problema enorme das árvores que arderam e cujo valor económico se vai depreciar rapidamente se as árvores não forem cortadas e tratadas, sobretudo a madeira nobre, que tem importância para a indústria do mobiliário, em que o país é deficitário. Seria uma pena perder-se este ativo. É a melhor forma de garantir o melhor preço possível aos produtores, garantir que nos próximos anos a indústria vai ter as suas necessidades satisfeitas e que não vai ser preciso importar.”

Sobre a polémica no suposto atraso na entrega dos vales de indemnização, Capoulas Santos diz que não faz qualquer sentido valorizar uma demora de um ou dois dias nos pagamentos das indemnizações a alguns agricultores afetados pelos incêndios.

Continue Reading →
floresta-plantada

O Governo está a estabelecer contratos programa para a fixação de empresas da fileira florestal que promovam a relação com as áreas de baixa densidade a médio e longo prazo, disse o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel João de Freitas.

Miguel João de Freitas sublinhou a importância de encontrar “novos gestores de território”, sejam organizações ou empresas, “que se instalem nas áreas de baixa densidade”.

“Estamos a falar de organizações de produtores florestais, de baldios, de entidades que já gerem território e que querem lá ficar. Estamos também a pensar nos resineiros, que desenvolvem a sua actividade de forma parcelar, mas que queremos que o façam durante o ano inteiro. Estamos a ver se encontramos um programa para fixar esses empreendedores no espaço florestal”, explicou o governante.

Estudo sobre o mundo rural

Em Lisboa, hoje, 13 de Dezembro, na apresentação de um estudo do economista Augusto Mateus sobre o mundo rural e o desenvolvimento económico e social em Portugal, o secretário de Estado afirmou que “o Governo quer conciliar as políticas de manutenção e as políticas de desenvolvimento económico” na defesa do mundo rural”.

Miguel João de Freitas referiu que “a grande questão é saber qual é o equilíbrio entre esta dualidade de políticas”.

“A ideia é que temos de apostar mais em políticas de manutenção, porque estamos a sentir que as políticas de ajustamento que fazemos estão a criar bolsas de desenvolvimento, mas estão a deixar muitos espaços rurais abandonados”, acrescentou. O objectivo é “criar uma maior conjugação entre políticas de desenvolvimento económico, que geram bens transaccionáveis, e políticas de manutenção, que geram bens públicos”.

Continue Reading →
eucalipto

Até entrar em vigor a nova lei sobre a plantação de árvores de espécies florestais, só se podem plantar eucaliptos em lugares onde já existissem:

  • apenas eucaliptos
  • principalmente eucaliptos (ou seja, onde estes fossem a espécie dominante).

Que vantagens traz?

Com este Decreto-Lei pretende-se promover a plantação das espécies de árvores mais adequadas às zonas que foram afetadas pelos incêndios florestais, evitando que se plantem eucaliptos para substituir as árvores que arderam.

Quando entra em vigor?

Este Decreto-Lei entra em vigor no dia 6 de dezembro, o dia a seguir à sua publicação e produz efeitos até entrar em vigor a nova sobre a plantação de árvores de espécies florestais.

Decreto-Lei n.º 148/2017 – Diário da República n.º 233/2017, Série I de 2017-12-05

Continue Reading →
vinho

A Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, em colaboração com o Instituto Superior de Agronomia – Universidade de Lisboa e o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, vai levar a cabo a 3ª Edição do Curso de Especialização em Engenharia de Viticultura e Enologia.

A presente edição decorrerá na FCUP – Porto, às sextas-feiras de tarde e sábados todo o dia, preferencialmente em semanas alternadas, no período de janeiro de 2018 a julho de 2019.

As candidaturas são realizadas online no Sigarra/FCUP.

Deve ser escolhida a opção “candidatura de ingresso” – barra lateral direita e clicar em Regime de Ingresso em Especialização – 1ª Fase.

Continue Reading →
dupa